Saber Sabendo - Ensinando e Aprendendo | 1 de novembro de 2022

Seguro Residencial – Não deveria ser All Risks?

Sou apaixonado por criatividade e inovação. Entendo que quanto mais simples forem as coisas, mais pessoas podem se interessar por produtos e serviços. Portanto, inovar também significa simplificar.

Sinceramente, quando se aborda um segurado potencial ou um já cliente, ele de fato entende que todas as coberturas de um mero seguro residencial têm que ser nomeadas, uma a uma, e que vários eventos como: alagamentos, inundações, vendavais, quedas de árvores sobre as residências podem não estar cobertos? Mais ainda, ele entende qual a diferença entre Valor em Risco e LMI? Risco Absoluto e Relativo?

Em 1992 (há 30 anos), o mercado de seguros se manifestou aos órgãos reguladores dizendo que queriam ser responsáveis pelas suas tarifas e pelos seus próprios métodos de subscrição. Passado todo esse tempo, será que ainda não pudemos compreender o que o consumidor de seguros quer?

Estamos assistindo um movimento regulatório importante, quando a SUSEP amplia a liberdade das seguradoras criarem as suas próprias condições para os seus produtos, sem o atrelamento a modelos pré-fixados. Não seria exatamente agora a hora de inovar, simplificando as coisas?

O índice de penetração do seguro residencial no Brasil é de cerca de 20% das moradias existentes, mesmo assim, talvez, com seguros que não necessariamente cobrem todos os riscos. Eis um tremendo mercado para inovação.

Os seguros All Risks são aqueles em que tudo está coberto, exceto o que for explicitamente excluído, o que também quer dizer que de nada adianta ter opção para contratar nesta modalidade e na prática excluir coberturas de interesse de todos. O que se faz, dentro da boa técnica, em seguros All Risks, é excluir situações de exposição a riscos fora da normalidade.

Temos que puxar o fio da inovação simplificando as coisas, pensando no consumidor e na sua experiência (desde a contratação até o sinistro).

Comente o acima com a sua opinião.

Siga-me lá no Instagram em @sricardoms e no LinkedIn em www.linkedin.com/in/sergioricardo

Sergio Ricardo

Executivo dos Mercados de Seguros e Saúde Suplementar com mais de 25 anos de experiência. Mestre em Sistemas de Gestão – UFF/MSG, MBA em Gestão da Qualidade Total – GQT – UFF. Engenheiro Mecânico – UGF. Foi superintendente técnico e comercial na SulAmérica Seguros. Foi membro da ANSP – Academia Nacional de Seguros e Previdência e foi Diretor de Seguros do CVG – RJ. Fundador do Grupo Seguros – Linkedin (https://www.linkedin.com/groups/1722367/). Associado da ABGP, PRMIA, IARCP. Colunista da Revista Venda Mais e do Portal CQCS. Coordenador de Pós-Graduação e Professor dos Programas de Pós-Graduação na UCP IPETEC, UFF, UFRJ, ENS, FGV, IBMEC, UVA, CEPERJ, ECEMAR, ESTÁCIO, TREVISAN, PUC RIO, IBP, CBV e é embaixador na Tutum – Escola de Seguros. Atualmente é coordenador acadêmico de vários cursos de pós-graduação, como o MBA Saúde Suplementar http://www.ipetec.com.br/mba-em-saude-suplementar-ead/, do MBA Seguros https://www.ipetec.com.br/mba-em-seguros-ead-new/ do MBA Governança, Riscos Controles e Compliance e do MBA Gestão de Hospitais e Clínicas na UCP IPETEC. Sócio-Diretor da Gravitas AP – Consultoria e Treinamento, especializada em consultoria e treinamentos em gerenciamento de riscos, controles, compliance, seguros, saúde suplementar e resseguro. www.gravitas-ap.com. Fale com Sergio Ricardo sergioricardo.gravitasap@gmail.com.

2 comentários

  1. Sergio Ricardo de M Souza

    3 de novembro de 2022 às 11:05

    Você precisa estar logado para ler o comentário.

  2. EDUARDO RODRIGUES BARBARESCO

    2 de novembro de 2022 às 1:34

    Você precisa estar logado para ler o comentário.

FAÇA UM COMENTÁRIO

Esta é uma área exclusiva para membros da comunidade

Faça login para interagir ou crie agora sua conta e faça parte.

FAÇA PARTE AGORA FAZER LOGIN